Centro de Interpretação do Pampa
Centro de Interpretação do Pampa
Centro de Interpretação do Pampa
Centro de Interpretação do Pampa
Centro de Interpretação do Pampa
Centro de Interpretação do Pampa
Centro de Interpretação do Pampa
Centro de Interpretação do Pampa
Centro de Interpretação do Pampa
Centro de Interpretação do Pampa

O Centro de Interpretação do Pampa, novo museu concebido a partir das ruínas da Antiga Enfermaria Militar de Jaguarão, construída em 1880 na linha de fronteira entre Brasil e Uruguai, trata da singularidade da paisagem física e humana do que se chama Pampa, no quadro da experiência brasileira. Trata-se de um Museu Vivo no qual os visitantes poderão vivenciar a especificidade e a riqueza da natureza, da cultura e da história irrepetível da região.

O Museu organiza um vasto conjunto de informações a partir de alguns eixos centrais. O primeiro deles é a singularidade da paisagem natural do Pampa, com seus ecossistemas. Lugar no qual, sob aparente homogeneidade, encontra-se uma rica e diversa vida pulsante. O segundo eixo é a antiguidade da ocupação da região, habitada sucessivamente por povos e culturas desde a pré-história.

O terceiro aspecto destacado aqui é a mestiçagem genética e simbólica única que se deu no Pampa – uma mistura singular de povos indígenas, ibéricos e africanos que gerou o gaúcho -, e a produção cultural específica que essa mistura propiciou. A língua falada, a música, a literatura, a mitologia, a arquitetura, os costumes, a culinária, a vestimenta, são, aqui, tão misturados quanto a cor da pele das pessoas. Tal aventura humana, marcada pelos encontros e desencontros de povos e signos, por convergências e conflitos, por contradições e desigualdades, continua se fazendo.

O quarto eixo é a questão da fronteira e a constituição de uma identidade, ao mesmo tempo singular e nacional. A região foi cenário de guerras e lutas que, de certa forma, desenharam os limites do território brasileiro, com suas dimensões continentais. Lugar de heroísmo e luta pela nacionalidade. Mas, também, uma experiência, avant la lettre, de integração, que antecipou em séculos o Mercosul.

Agora totalmente recuperada e renovada, a Antiga Enfermaria, Patrimônio Histórico do Rio Grande do Sul, renasce com novas funções. É lá que o Centro de Interpretação do Pampa estará iluminando a paisagem.

Equipe

Concepção curadoria: Isa Grinspum Ferraz e Marcelo Macca

Consultoria em história, língua e literatura: Aldyr Schlee

Consultoria em genética: Sergio Pena

Consultoria em biologia e ecologia: Heinrich Hasenack

Consultoria em paleontologia e arqueologia: Jairo Henrique Rogge

Tecnologia expositiva: Peter Lindquist e Nicola Bernardo / KJPL

Criação de interfaces digitais e aplicativos: 32 bits

Arquitetura e expografia: Brasil Arquitetura

Autores: Francisco Fanucci e Marcelo Ferraz

 

Unipampa

Iphan

Ibram

Ministério da Cultura

Centro de Interpretação do Pampa (2012-)